Dia Mudial do Coração: Vida saudável pode diminuir riscos de doença cardíaca

Dia Mudial do Coração: Vida saudável pode diminuir riscos de doença cardíaca

As doenças cardíacas são a principal causa de morte no mundo todo. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 17,5 milhões de pessoas morrem todos os anos devido a doenças do coração, aproximadamente 31% de todas as mortes ao redor do globo. Só no Brasil, as doenças cardíacas fizeram mais de 346 mil vítimas em 2015, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Apesar dos números alarmantes, mudanças no estilo de vida podem diminuir o risco de desenvolver doenças cardíacas.

O Dia Mundial do Coração, comemorado em 29 de setembro, busca conscientizar as pessoas não apenas sobre os problemas cardíacos, mas principalmente sobre os cuidados que devem ser tomados para preveni-los. Com o slogan: “energize sua vida”, a campanha mundial quer enfatizar que pequenas mudanças podem fazer uma grande diferença quando se trata da saúde do coração. Evitar o consumo de álcool e o tabagismo, buscar ter uma alimentação mais saudável e realizar exercícios físicos são os primeiros passos para evitar doenças cardíacas.

Mudança de hábito

Parar de fumar traz benefícios quase imediatos. Em apenas um ano, o risco de desenvolver doença é cerca de metade da de um fumante; em 15 anos, esse risco praticamente se iguala ao de alguém que nunca fumou.

A alimentação também merece atenção especial. Evitar alimentos gordurosos é essencial para prevenir o aumento do colesterol ruim, o que pode levar a doenças coronarianas e aterosclerose. Além disso, investir em frutas, verduras e cereais também é bom para a saúde do coração. Comer frutas e legumes não só pode ajudar a prevenir doenças do coração, mas também pode a ajudar a melhorar a pressão arterial e os níveis de colesterol. E cuidar da alimentação inclui também prestar atenção no consumo de bebida alcóolica. A ingestão excessiva de álcool pode aumentar os níveis de triglicérides, elevar a pressão arterial, levar à insuficiência cardíaca, e ainda aumentar o risco de desenvolver cardiomiopatia e arritmia cardíaca.

Praticar atividades físicas ajuda a controlar o peso e reduz as chances de desenvolver outras condições que podem colocar a saúde do coração em risco, como pressão arterial alta, colesterol elevado e diabetes. O recomendado é praticar no mínimo 30 minutos de exercícios por dia. A boa notícia é que esse tempo pode ser dividido (três intervalos de 10 minutos, por exemplo). Além disso, subir escadas, caminhar até o supermercado, passear com o cachorro e até mesmo fazer jardinagem contam para esse total.

A Kantar Health desenvolveu um infográfico com dados levantados sobre a prevalência de fatores de risco para as doenças cardíacas. O gráfico também mostra que muitas pessoas estão dispostas a adotar mudanças no estilo de vida para reduzir o risco de desenvolver doenças cardíacas. O levantamento ouviu cerca de dois milhões de pessoas nos Estados Unidos, Rússia, Japão, China, Brasil e cinco países europeus. O infográfico pode ser visto neste link.

Esforço coletivo

Além das mudanças no estilo de vida, a OMS também incentiva os governos a fazerem algumas intervenções para colaborar com a prevenção das doenças cardíacas. Algumas dessas intervenções incluem campanhas de educação; políticas de controle de tabagismo; impostos para reduzir a ingestão de alimentos ricos em gordura, açúcar e sal; ciclovias e vias para incentivar o aumento da atividade física; estratégias para reduzir o uso nocivo do álcool; e fornecimento de refeições escolares saudáveis para as crianças.

O uso conjunto dessas estratégias, combinadas com as mudanças do estilo de vida, podem reduzir significativamente o número de casos de doenças cardíacas na população. O esforço deve ser coletivo – e a saúde do coração agradece.

Filtrar
Newsletter

Assine nossa Newsletter para receber notícias e informações da Evidências.

Veja também