SUS começa a distribuir vacina contra o HPV para meninos

SUS começa a distribuir vacina contra o HPV para meninos

A partir de janeiro, meninos de 12 e 13 anos passam a receber a vacina contra o papiloma vírus humano (HPV). Segundo o Ministério da Saúde, a vacina é quadrivalente, ou seja, protege contra quatro tipos do vírus HPV com eficácia de 98% para quem seguir o esquema vacinal de forma correta – duas doses com intervalo de seis meses. É a mesma vacina que já era oferecida às meninas de 9 a 13 anos desde 2014 em todos os postos do Sistema Único de Saude (SUS).

Nos meninos, o principal objetivo da vacina é proteger contra  cânceres de garganta, pênis e ânus e nas meninas contra o câncer de colo de útero, vagina, vulva e ânus, além de lesões que podem se tornar cancerosas. “Dados publicados na revista The Lancet apontam que a infecção pelo HPV está entre as principais doenças sexualmente transmissíveis em todo o mundo, podendo afetar 80% da população. A primeira infecção geralmente ocorre entre os 15 e 24 anos de idade”, alerta Luciana Clark, oncologista e diretora de comunicação cientifica da Evidências – Kantar Health. “Existem vários subtipos do vírus e alguns deles são extremamente oncogênicos (isto é, induzem a formação de câncer)”.

Atualmente, nos Estados Unidos, a incidência de câncer de boca e faringe causados pelo HPV já é maior do que a de colo de útero induzida pelo vírus. No mundo, é o 6º tipo de câncer, com 230 mil mortes – de acordo com o Ministério da Saúde. “Por isso a importância de estender a vacinação contra o HPV para meninos e homens”, analisa Clark.

O Brasil é o primeiro país da América do Sul e o sétimo no mundo a oferecer a vacina contra o HPV a meninos. A expectativa é que mais de 3,6 milhões sejam imunizados nesse ano. Outra mudança, é que a vacina passa a ser oferecida às meninas de 14 anos e pretende-se assim, estender a faixa etária gradativamente até 2020.

Filtrar
Newsletter

Assine nossa Newsletter para receber notícias e informações da Evidências.

Veja também