Lei que determina cobertura obrigatória de medicamentos orais para câncer é sancionada

Lei que determina cobertura obrigatória de medicamentos orais para câncer é sancionada

A lei que obriga planos e seguros privados de assistência à saúde a cobrirem os custos de medicamentos orais para tratamento de câncer foi sancionada nesta quinta-feira (14/11) pela presidente Dilma Roussef. O projeto, de autoria da senadora Ana Amélia (PP-RS), utilizou estudo da Evidências sobre medicamentos orais contra câncer para seu embasamento científico.

Em seu twitter, a senadora agradeceu Otávio Clark, diretor-presidente da Evidências e um dos autores do estudo: “Você também tem parte nessa história ao provar, com números, que a despesa com a quimioterapia oral não afeta a saúde financeira dos planos!”, escreveu Ana Amélia.

Atualmente cerca de 40% dos tratamentos oncológicos empregam medicamentos de uso domiciliar em substituição ao regime de internação hospitalar ou ambulatorial. Conforme o rol 2014 da Agência Nacional de Saúde (ANS), os planos de saúde terão de assegurar aos seus clientes 37 medicamentos orais que são usados para tratamento de 54 tipos de câncer. Serão ofertados medicamentos para o tratamento de tumores de grande prevalência entre e população, como estômago, fígado, intestino, rim, testículo, mama, útero e ovário. 

14/11/2013
Por Redação Evidências

Filtrar
Newsletter

Assine nossa Newsletter para receber notícias e informações da Evidências.

Veja também